domingo, 18 de janeiro de 2015

Feminismo, machismo e antifeminismo

Com 13 Comentarios
Acompanhando meus amigos no Facebook, tenho notado que muita gente está se deparando com mulheres que usam o termo feminismo para se justiçar por agir de acordo com os estereótipos masculinos mais idiotas. Isso está fazendo com que surja todo um movimento antifeminismo. Apesar deste não ser um blog sobre o tema, acho que o assunto vale um post. E sim, já estou preparada para a crucificação que vem a seguir (mas foda-se. Feministas exaltadas, machistas e antifeministas já me odeiam mesmo e ESTE É UM ARTIGO DE OPINIÃO).

Tenho observado que está rolando uma banalização do termo “feminista”, que em algum momento foi distorcido e transformado em algo bem diferente do que realmente é. Por isso, vamos começar com o conceito que considero mais simples e didático de feminista, que ouvi em um discurso da escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie (e a Beyoncé inclusive incorporou na música Flawless):

“Feminista: pessoa que acredita na igualdade social, política e econômica entre os sexos.”

Então, em primeiro lugar, feminista é a PESSOA que acredita na igualdade social, política e econômica entre os sexos. Homens também podem ser feministas? Sim, eles podem! Segundo, o feminismo busca conquistar a IGUALDADE social, política e econômica entre os sexos, e não a superioridade feminina. Terceiro, igualdade SOCIAL, POLÍTICA E ECONÔMICA não nos torna iguais, já que sempre seremos fisiologicamente diferentes, e isso torna homens fisicamente mais aptos a determinadas atividades e mulheres a outras (apesar de ambos poderem se adaptar à maior parte dessas atividades, caso se interessem por elas).

Diferente do que algumas pessoas vem pregando, ideia não é a mulher ser homem ou transformar o homem em mulher. Muito menos se tornar a versão estereotipada que a sociedade nos ensina sobre ambos os gêneros. O que o feminismo de verdade busca, ao meu ver, é derrubar essa muralha sociocultural entre os sexos e permitir que todos nós possamos transitar de acordo com a nossa VONTADE pelos dois lados. Vontade que, inclusive, alguns tem e outros não. Você pode ter direitos e não querer usá-los. Isso deve ser respeitado.

Não considero machista o homem que não quer transitar pelo “lado feminino”, acho até que ele tem todo o direito. O foda é quando esse mesmo cara luta para que nenhum homem tenha o direito de transitar por lá ou para que nenhuma mulher possa atravessar para o “lado masculino” da muralha. Isso sim é machismo pra mim. Ser machista é ser egoísta o suficiente para querer que ninguém tenha esse direito porque ele não é importante pra você.

Espero que esse texto ajude algumas pessoas a entender que a feminista não defende as mulheres, ela defende a queda da muralha que impede as pessoas de serem quem e o que quiserem. Já abrimos uma porta e, graças a ela, hoje muitos conseguem ir e vir, mas o muro ainda não caiu. Então, ainda é importante estudar e discutir o assunto sim!

E, só pra reforçar o que disse lá no primeiro parágrafo, termino com um apelo: busquem se tornar seres humanos melhores com a observação e repetição dos comportamentos legais do outro gênero e parem de copiar as coisas que vocês não gostariam que fizessem com vocês! Isso já vai ser um grande passo para a humanidade.

+1

13 comentários:

  1. "feminista não defende as mulheres, "....só li defecações...deve ser um homem branco e cis que escreveu essa merda...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou fazer de conta que não li seu comentário. Tenho certeza de que vc não leu o texto com atenção e, por isso, escreveu esse comentário infinitamente sem fundamento e, claro, anônimo. Então eu vou te dar uma nova chance: elabora mais, coloca o seu nome e a gente conversa melhor. ;)

      Excluir
  2. Eu não me considero machista nem feminista. Eu entendo ambos os lados. Mas não necessariamente concordo plenamente com nenhum. Ao meu ver, o problema não é a desigualdade entre os sexos, mas sim algo muito mais amplo do que isso. É um preconceito de forma geral, não somente por sexo, mas por cor de pele (que não define raça de forma alguma) formato dos olhos e até peso. Porque o ser humano de forma geral cria opiniões baseadas em grupos de pessoas ao invés de indivíduos. Eu brinco com isso e faço humor, mas nunca julgo o livro pela capa. Tenho interesse em conhecer todo mundo e só começo a julgar alguém desinteressante ou alguém que eu não queira me relacionar depois de conhecer a pessoas e perceber que a mesma não tem algo que eu procuro nos meus amigos, que é a honra, moral e senso de humor. Trato todos da mesma forma antes de conhecer bem e poder mudar minhas atitudes em relação a ela. Mas sempre com respeito, ou aquele desrespeito humorado entre amigos. Com tantas "raças", culturas, gêneros, gostos e grupos dentro de uma sociedade, é importante lutar pelos direitos E Deveres de todos e não só de grupos separados, e por isso eu não concordo plenamente com o feminismo, nem com grupos de apoio aos homossexuais ou povos indígenas ou negros. Eu sou a favor de direitos iguais a todos independente se for homem, mulher, negro, índio, ariano...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não me considero feminista, não nessa loucura que virou o movimento. Eu acho que o feminismo não deveria ter esse nome, ele causa muita confusão na cabeça das pessoas. O movimento de verdade busca a igualdade e isso eu acho interessante. Mas virou uma bagunça de termos e mais termos, movimentos, sub-movimentos, vertentes, ramificações... Meu Deus, que loucura! É tão simples! Todo mundo tem que ter os mesmos direitos independente de sexo, cor, religião, time de futebol e o caraleo a quatro. Se as pessoas vão fazer uso do direito conquistado ou não é problema delas, mas se um tem o direito, então todos tem que ter. Só isso, sem segredo.

      Excluir
  3. Quero ver cotas para Caucasianos nas faculdades... U_U

    ResponderExcluir
  4. O problema é que o movimento feminista virou sexista e menospreza as conquistas dos homens realizadas durante anos e anos. Enquanto as pequenas conquistas femininas são exaltadas como se a mulher fosse o centro. As babações estão fora dos limites, o pai perde o poder de opinar na criação do filho a cada dia, mulheres se julgando mais inteligentes e tratando o homem como um jumento de carga ignorante. É evidente que muitas mulheres estão discontando nos homens da nova geração tudo aquilo que elas sofreram com os homes da antiga geração. É impossível não ser anti feminista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com vc que algumas autointituladas feministas estão tratando os homens de uma forma péssima e acho isso uma grande idiotice da parte delas. Como eu disse no texto, a proposta do movimento era igualdade e não superioridade!

      As ditas "minorias" estão pirando e tratando seus antigos opressores da forma com que eram tratadas. Mulheres oprimindo homens, tribos urbanas antes discriminadas que agora discriminam outras tribos, gente que sofria bullying praticando bullying, novos ricos (que sabem bem como é ser pobre) tratando funcionários como lixo... Não deveria ser essa a ideia! Se rolasse um mínimo de amor ao próximo e bom senso o mundo seria beeeem melhor.

      Excluir
  5. Gostei da sua postura Isabella.
    Eu já fui muito criticada no facebook por não me denominar feminista. E quando eu digo isso, leio comentários horríveis do tipo " Machista, você não é mulher, Se não fosse pelo feminismo você não saberia ler..." E outras coisas piores.
    As pessoas querem rotular e dizer o que você tem ou não tem que ser. E sim as mulheres do passado lutaram pelos direitos de igualdade mas hoje as neo feministas querem impor, criar uma ditadura e fazer você engolir os ideais feministas que elas mesmas então distorcendo.Esse mimimi ja esta cansando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acredito muito que a sociedade como um todo ainda tem muito a mudar. As coisas poderiam ser melhores pra mulheres, pros homens, pros gays, pros animais... Mas bancar a babaca e sair por aí chamando todo e qualquer homem de machista opressor tá muito errado! E a maior parte dos machistas de verdade que conheço são tão produto do meio quanto nós, foram educados pra ser assim como muitas de nós foram educadas pra ser submissas. Eu sempre digo que me chateio com quem tem informação, estudo e ainda assim é bitolado, mas com quem é só ignorante pq se chatear? Melhor pegar na mão e ensinar do que brigar.

      Excluir
  6. Vamos combinar que tem muita gente pegando carona no termo "feminismo" para defender baboseiras sem consultar as mulheres que deveriam representar?? É de um mal caratismo sem tamanho, porque corre o risco de esvaziar um movimento mais do que legítimo: urgente! Das mais de 3,5 bilhões de mulheres no planeta, quantas gozam de um mínimo de liberdade, segurança e justiça? Gerações inteiras dependem disso, pois elas são mães. E isso inclui os homens.

    ResponderExcluir
  7. Isso é uma coisa que me preocupa. O sexismo está tomando conta do mundo (ou talvez sempre tenha estado aí, a gente é que não falava tanto sobre o assunto). Precisamos mudar, todo mundo junto!

    ResponderExcluir
  8. você podia ter falado a diferença de femismo e feminismo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma boa ideia! Talvez eu faça algum post novo sobre o tema.

      Excluir

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial
Tecnologia do Blogger.