sexta-feira, 10 de abril de 2020

Experiências Culinárias #1

Com 0 Comentario

E aí, galera? Tudo beleza nessa quarentena?

Pra quem ainda não me conhece, meu nome é Lucas Gonçalves (ou Gonça se preferir). Sou discente da graduação em Letras com Habilitação em Inglês e Literaturas de Língua Inglesa da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), professor de inglês como língua adicional no Projeto Social do Bairro Pequis e músico. Além disso, moro com a Isa há quase 4 anos e estamos juntos há quase 5, no total.

Ela sempre me pediu que escrevesse alguma coisa aqui pro Uai Meu!, mas sempre me faltou tempo e ânimo. Agora, com a pausa no trabalho e na universidade, é que tá sobrando um tempo pra dedicar às coisas que eu gosto de fazer, como escrever, compôr e cozinhar. Achei que seria legal compartilhar as experiências culinárias que eu e a Isa estamos aprontando por aqui com vocês, então vou postar nossas impressões sobre 4 receitas que testamos e uma que meio que inventamos.

Pastel

Essa massa é muito simples e leva apenas 2 ingredientes (fora os temperos): farinha de trigo e creme de leite. A receita é do canal do Mohamad Hindi e nós temperamos a nossa versão com sal e pimenta preta moída. 


Para o recheio, fritamos calabresa e juntamos batata em cubinhos cozida, pimentão, milho, cebola, alho e pimenta de cheiro. A Isa temperou também com chimichurri desidratado, páprica doce e pimenta caiena em pó. Ela usou pouco sal porque a calabresa já tem bastante.

Os pastéis ficaram sequinhos e crocantes. A massa não tem o sabor daquela massa tradicional de feira, mas isso não quer dizer que não é uma delícia. Basta ajustar suas expectativas pra aproveitar mais.

À esquerda os pastéis fritinhos e à direita o recheio.

Pão

Eu sempre quis fazer pão, mas tinha a impressão de que dava muito trampo. Esses dias pra trás achei essa receita no canal Amo Pão Caseiro e resolvi arriscar.


Muito fácil de fazer mesmo. Como não temos forno, usamos a airfryer. É importante reforçar isso porque o tempo pra assar na airfryer é bem diferente. A tentativa que deu mais certo foi a com 15 minutos a 160 ºC. Se você gostar de um pão mais crocante, pode colocar mais uns 2 ou 3 minutinhos a 200 ºC.

Pão quentinho não tem nada igual.

A foto não ficou das melhores, mas o pão ficou excelente.

Pizza

A Isa deu uma crise de que queria comer pizza. Meu sogro Joel Peixoto, do Buffet Sonhos e Sabores, é o pizzaiolo oficial da família e manda muito bem, mas, na ausência dele, a gente deu um jeito com essa receita do canal Receitas da Cris.


Essa receita é surpreendente. Além de muito fácil e econômica, a massa fica idêntica à de boa parte das pizzarias. A gente fez mini pizzas (pra caber na airfryer) de calabresa e também tipo Romeu e Julieta (de queijo com goiabada cascão).

Uma dica pra quem vai fazer na airfryer é pré-assar a massa numa forma pra bolo que caiba na cestinha. Uns 10 minutos à 180 ºC já são suficientes e fica bem mais fácil de rechear: você tira da forma, recheia e coloca direto na cestinha da airfryer. O tempo pra assar com os recheios varia dependendo de como você espera que a pizza fique. Se gosta mais crocante, tente 5 minutos à 200 ºC. Se seu lance é uma pizza mais fofinha, 10 minutos à 160 ºC devem ser suficientes.

O melhor dessa foto é a gente com cara de psicopata e estilo quarentena de cabelo e roupas.

Pipoca doce

A Isa é obcecada por pipoca doce. Quem geralmente faz pra ela é o meu outro sogrão, o Prof. Dr. Adailson Pinheiro Mesquita. Ela também fazia, de vez em quando, uma versão meio zuada que quase sempre queimava e deixava um cheirão na casa toda. Daí descobrimos essa do canal do Mohamad Hindi (nosso guru culinário da quarentena) e nossa vida mudou. Ashuasahsuahusahus...


O mais legal dessa pipoca é ver o caramelo inflar e mudar de textura quando você adiciona o bicarbonato. Fica muito mais fácil de distribuir o caramelo uniformemente pela pipoca e, depois de uns minutinhos, ela fica durinha e nada grudenta. Sucesso absoluto. Já fizemos umas 3 vezes.

A Isa tá aqui me lembrando de dar duas dicas: 1) não deixe o caramelo tão escuro quanto o do vídeo. A gente achou que ficou um pouco amargo. 2) coloque um pouco de sal no caramelo e mesmo depois, na hora de comer. Realça o sabor do caramelo e fica menos enjoativo.

Essa foi a primeira que a gente fez. Cuidado com a cor do caramelo! Mais pro dourado fica melhor.

Coxinha

Essa receita a gente meio que inventou baseada na receita de Coxinha com Massa de Batata de Frango do GShow. Mas a nossa versão é bem mais simples. O recheio deles funciona bem, mas a massa a gente mudou.

Ingredientes

1 col. de sopa de margarina (ou manteiga)
500 g de batata doce cozida e amassada (ou expremida)
Farinha de trigo (não tem medida certinha, tem que ir colocando aos poucos)
Água do cozimento do frango
Sal e temperos a gosto
1 ovo batido
Farinha de mandioca fina ou de rosca

Cozinhe a batata doce na água que sobrar do cozimento do frango. Escorra a batata e reserve o caldo novamente. Amasse (ou esprema) a batata e reserve. Numa panela antiaderente, derreta a margarina (ou manteiga) e acrescente a batata amassada (ou espremida). Tempere esse "purê" com sal e temperos a gosto. Mexendo sem parar, vá acrescentando a farinha de trigo aos poucos até começar a desgrudar da panela (ponto de enrolar). Espere a massa esfriar, recheie e molde as coxinhas. Passe as coxinhas em ovo batido e depois em farinha de rosca ou de mandioca. Frite até a massa ficar dourada.

Não precisou nem sovar.

Ficou gostosa demais essa coxinha.
E é isso! Espero que vocês tenham curtido e que aproveitem essa quarentena pra inovar na cozinha também.

Abraço!

GONÇ
GONÇA
É discente da graduação em Letras com Habilitação em Inglês e Literaturas de Língua Inglesa da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), professor de inglês como língua adicional no Projeto Social do Bairro Pequis, guitarrista e compositor. Fã de uma boa gastronomia, adora cozinhar nas (poucas) horas vagas.
 

+1

0 comentários:

Postar um comentário

Postagem mais antiga Página inicial
Tecnologia do Blogger.